Skip to content

Auxílio emergencial: pais solteiros recebem suplemento de até R$ 3 mil nesta quinta-feira (13)

O pagamento será feito em uma única parcela, de R$ 600 a R$ 3.000, dependendo do número de parcelas que o beneficiário recebeu entre abril e agosto de 2020. São R$ 600 para cada parcela atrasada – caso o beneficiário tenha recebido quatro parcelado, por exemplo, você terá direito a receber R$ 2,4 mil.

Só terão direito a este complemento os chefes de família que tenham recebido os pagamentos iniciais durante este período. No total, são 823,4 mil beneficiários.

  • Compartilhe esta notícia via WhatsApp
  • Compartilhe esta notícia via Telegram

Os beneficiários já podem consultar o valor de consuluxilio.cidadania.gov.brcomo noticiou esta quinta-feira o presidente da Caixa, Pedro Guimarães.

Os regulamentos de pagamento consideram como unidade familiar monoparental com credor masculino o núcleo familiar chefiado por um homem, sem cônjuge ou coabitante, composto por pelo menos uma pessoa menor de 18 anos.

  • Emergências, Bolsa Família, Auxílio Brasil: brasileiros denunciam desespero, fome e incerteza em 2021
  • O valor do seguro-desemprego é corrigido; a taxa é de R$ 2.106

O objetivo da integração é igualar o valor percebido pelas mães solteiras no período, que foi de R$ 1.200, para um total de R$ 6.000 com as cinco parcelas.

O pagamento é válido para quem se cadastrou pelo aplicativo ou pelo site do auxílio emergencial e também para quem recebeu o benefício de fazer parte do antigo Bolsa Família ou de ser cadastrado no Cadastro Unica.

Saques superam depósitos de poupança em 35,5 bilhões de reais no ano passado

Saques superam depósitos de poupança em 35,5 bilhões de reais no ano passado

Provedores do sexo masculino de famílias monoparentais que recebem assistência emergencial serão selecionados automaticamente, levando em consideração:

  • chefes de família elegíveis ao royalty simples (R$ 600) em abril de 2020 incluídos nas famílias beneficiárias do programa Bolsa Família;
  • os chefes de família com direito à taxa simples (R$ 600) incluídos nas famílias cadastradas no Cadastro Único, conforme banco de dados de 02 de abril de 2020;
  • outros beneficiários elegíveis com uma simples ação cadastrada nas plataformas da Caixa, desde que não haja outra pessoa do mesmo agregado familiar que se tenha declarado chefe de família.

O complemento não será pago se houver uma mulher na família que teve direito à parcela em dobro (R$ 1.200) do auxílio emergencial em 2020.

No entanto, o pagamento não será efetuado caso o beneficiário tenha um óbito registrado no Sistema Nacional de Informações do Estado Civil (SIRC) ou no Sistema de Controle de Óbitos (Sisobi) ou tenha o CPF vinculado à concessão.

O Ministério da Cidadania analisará os dados cadastrais do Cadastro Único para efetuar o pagamento.

Crédito de R$ 4,1 bilhões

Em 24 de dezembro, o Governo Federal editou a Medida Provisória 1.084/2021, que abriu um crédito extraordinário no valor de aproximadamente 4,1 bilhões de reais em favor do Ministério da Cidadania para financiar esse pagamento.

Em 2020, apenas mães solteiras receberam pagamento em dobro (R$ 1.200) do auxílio emergencial. Eles tinham que ser cadastrados no Cadastro Único ou preencher um formulário de primeiros socorros na plataforma digital antes de 2 de julho de 2020. Em 2021, o Congresso decidiu estender a cota adicional para homens monoparentais, por meio da Lei 14.171/21.

Como o cadastro pelo aplicativo ou site da Caixa não permite que os homens selecionem a opção de arrimo de família, isso ocorrerá caso o beneficiário da cota simples não tenha cônjuge ou companheiro(a), caso esteja presente pelo menos um menor de 18 anos. idade na família. , e se a prestação em dupla repartição não tiver sido concedida a outro beneficiário ou como chefe de família por outra pessoa do mesmo agregado familiar.

  • Abono salarial PIS/Pasep: o programa é aprovado; ver datas

Os beneficiários poderão verificar se terão direito ao suplemento através do link https://consultaauxilio.cidadania.gov.br//consulta/#/.

Lá você tem que digitar seu CPF, seu nome completo, o nome de sua mãe ou se você tem uma mãe desconhecida e sua data de nascimento.

Auxílio terminou em outubro

Lançado em abril de 2020 para ajudar trabalhadores afetados pela pandemia, o auxílio emergencial terminou em outubro de 2021, após 17 meses e 16 parcelas, deixando pelo menos 22 milhões de brasileiros sem benefícios.

No ano passado, o auxílio emergencial desembolsou 9 parcelas de abril a dezembro – 5 de R$ 600 e 4 de R$ 300, atingindo o dobro para mães solteiras – para 66 milhões de pessoas. Os pagamentos, porém, foram retomados no ano passado entre abril e outubro, com valores menores – de R$ 150 a R$ 375 – e para um número bem menor: 39,4 milhões de brasileiros.

A saída para quem não tinha essa renda foi tentar o Auxílio Brasil, que substituiu o Bolsa Família em novembro daquele ano. Mas, por enquanto, o programa atende apenas quem já estava no intercâmbio.

Com o fim do auxílio emergencial, milhares de brasileiros se encontram desempregados e sem dinheiro nem para colocar comida na mesa.

  • SEU BOLSO: O que muda na economia em 2022 e como isso afeta você