Skip to content

Tópico nº 577: Vacina infantil – horário brasileiro

No geral, a prioridade dada aos grupos mais expostos às formas graves da Covid-19 levou a vacinação dos mais novos para o fim da fila. Desde setembro, porém, é uma realidade em muitos países, e aqui a Anvisa analisa as solicitações nesse sentido. Nada mais oportuno, na avaliação de Marco Aurélio Sáfadi, presidente do Departamento de Infectologia da Sociedade Brasileira de Pediatria. Numa altura em que as outras faixas etárias já estão mais protegidas, é natural que a participação das crianças no mundo dos doentes aumente, e com ela a oportunidade de as vacinar. Além disso, diz Sáfadi, a “desproporção” com que a doença cobra seu preço entre os idosos “distrai as pessoas” de uma estatística cruel: o Brasil tem uma das maiores taxas de mortalidade por Covid entre crianças e adolescentes. Ao contrário do Ministério da Saúde, que até agora não demonstrou interesse em incluí-los em nível nacional, o infectologista defende a disposição e prevê que “não vai parar por aí”: em breve, segundo ele, haverá falar sobre vacinar crianças.

O que você quer saber:

O podcast El Sujeto é produzido por: Mônica Mariotti, Isabel Seta, Tiago Aguiar, Luiz Felipe Silva, Thiago Kaczuroski e Giovanni Reginato. Neste episódio também colaboraram: Gabriel de Campos e Ana Flávia Paula. Apresentado por: Renata Lo Prete.