Skip to content

O auxílio emergencial terá uma oitava parcela? olha o que você sabe

A sétima parcela do auxílio emergencial foi paga em outubro e os brasileiros que a receberam em 2021 já se perguntam se haverá uma nova prorrogação.

Com as incertezas em torno do novo programa que substituirá o Bolsa Família, chamado Auxilio Brasil, os beneficiários ainda não sabem o que acontecerá após o término do auxílio emergencial.

Por enquanto, a resposta a essa pergunta é que não haverá pagamento do Oitava entrega do auxílio emergencial. O fim do auxílio emergencial foi confirmado pelo ministro da Cidadania, João Roma. Portanto, apenas alguns dos beneficiários do auxílio emergencial poderão se beneficiar do auxílio Brasil a partir de novembro.

Diante dessa confirmação, surgiram relatos de que assessores do governo iniciaram discussões para pagar auxílio emergencial temporário a cerca de 20 milhões de brasileiros que não serão cobertos pelo novo programa social. No entanto, a informação não foi confirmada pelo presidente Jair Bolsonaro.

Para financiar a oitava e nona parcelas do auxílio emergencial, que seriam pagos em novembro e outubro, com valores entre R$ 150 e R$ 250, o Ministério da Economia teria que abrir um novo empréstimo extraordinário. No entanto, para o chefe do departamento, Paulo Guedes, o melhor caminho é apostar na viabilidade da Ajuda Brasil.

A prorrogação do benefício em agosto, setembro e outubro já ocorreu na esperança de que após a vacinação em massa no país, a economia comece a dar sinais de recuperação. Enquanto isso, as equipes técnicas da Economia vêm trabalhando na criação do Auxilio Brasil, que foi lançado em agosto e será formado em novembro.

Podemos dizer, portanto, que o auxílio emergencial terminará após o pagamento da sétima parcela em outubro.

O auxílio emergencial será prorrogado até 2022?

Com a aproximação de 2022, ano das eleições presidenciais, o governo tem dado mais atenção aos programas sociais. O principal compromisso do Ministério da Economia para aumentar a popularidade do presidente Jair Bolsonaro continua sendo Ajuda Brasilque será uma reformulação do Bolsa Família com maior valor e a inclusão de mais beneficiários.

Por isso, o secretário extraordinário do Tesouro e do Orçamento, Bruno Funchal, disse que não há razão para justificar uma nova prorrogação do auxílio de emergência após outubro. “A ajuda de emergência não é uma opção política, é uma necessidade nascida da imprevisibilidade. Com a subida e descida da curva de contágio, e com a volta da economia, não faz sentido neste momento falar em auxílio emergencial ou crédito extraordinário. Estamos lutando [uma proposta] no orçamentodisse o secretário.

Para Paulo Guedes, a possibilidade de uma nova prorrogação do auxílio emergencial só se justificaria se a reforma do IRPJ não fosse aprovada pelo Congresso. “Às vezes, sem perceber, o mundo dos negócios vai para Brasília e pressiona contra o imposto de renda. De fato, torna o Bolsa Família impraticável. [Isso] produzirá uma reação do governo que é a seguinte: então significa que não há fonte [de receita para Bolsa Família]? Você não tem, vá você mesmo. Então coloca R$ 500 logo de cara e é socorro emergencial. A pandemia chegou, a miséria é grande demais, vamos”, declarou o ministro em ato realizado pelo banco BTG Pactual.

A reforma do imposto de renda é vista como uma das principais fontes de financiamento da ajuda para o Brasil no próximo ano. Segundo o Funchal, a tributação dos dividendos é a principal estratégia do governo para financiar o programa de substituição do Bolsa Família em 2022.

“Usar o IOF ou outro para passar para 2022 nunca esteve no radar. A estratégia é o imposto de renda, que foi aprovado na Câmara, agora segue no Senado, a CAE (Comissão de Negócios Econômicos) que já assinou e está com o relator. Estamos seguindo nossa estratégia inicial, que é o dividendo fiscal”, disse.

Até 2021, o governo pretende utilizar os recursos excedentes do Bolsa Família – cerca de R$ 9 bilhões, além de ter a renda adicional que será gerada pela alta do IOF, decretada pelo presidente Jair Bolsonaro.

O novo programa de transferência de renda abrangerá as 14,6 milhões de pessoas que atualmente estão recebendo o Bolsa Família, bem como os 2,4 milhões de brasileiros que aguardam o programa ou que ficarão indigentes financeiramente quando o auxílio emergencial terminar.

Cronograma das parcelas 6 e 7 do auxílio emergencial

Formalizada como a última, a sétima parcela do Auxílio Emergencial foi concedida em outubro aos trabalhadores informais, inscritos no Cadastro Único e filiados ao Bolsa Família.

A sexta tranche foi depositada pela Caixa Económica Federal na última quinzena de setembro. Os beneficiários do Bolsa Família receberam o dinheiro entre 17 e 30 de setembro, conforme as datas do calendário oficial do programa. Para assinantes de plataformas digitais e cadastrados no CadÚnico, o sexto pagamento será creditado conforme tabela a seguir:

Calendário da 6ª parcela – Auxílio Emergencial 2021 (público)
mês do nascimento Data de crédito da conta Data de saque em dinheiro
Janeiro 21 de setembro 4 de outubro
Fevereiro 22 de setembro 5 de outubro
Marchar 23 de setembro 5 de outubro
abril 24 de setembro 06 de outubro
ele pode 25 de setembro 08 de outubro
Junho 26 de setembro 11 de outubro
Julho 28 de setembro 13 de outubro
Agosto 29 de setembro 14 de outubro
Setembro 30 de setembro 15 de outubro
Outubro 1º de outubro 18 de outubro
novembro 02 de outubro 18 de outubro
dezembro 03 de outubro 19 de outubro

Em outubro, foi retomado o depósito da 7ª parcela pelos beneficiários do Bolsa Família. O grupo recebeu os títulos entre os dias 18 e 29 de outubro. Para o público em geral, o pagamento da última parcela do Auxílio seguiu o seguinte cronograma:

Calendário da 7ª parcela – Auxílio Emergencial 2021 (público)
mês do nascimento Data de crédito da conta Data de saque em dinheiro
Janeiro 20 de outubro 1 de Novembro
Fevereiro 21 de outubro 03 de novembro
Marchar 22 de outubro 4 de novembro
abril 23 de outubro 5 de novembro
ele pode 23 de outubro 09 de novembro
Junho 26 de outubro 10 de novembro
Julho 27 de outubro 11 de novembro
Agosto 28 de outubro 12 de novembro
Setembro 29 de outubro 16 de novembro
Outubro 30 de outubro 17 de novembro
novembro 30 de outubro 18 de novembro
dezembro 31 de outubro 19 de novembro