Skip to content

Tabela do Auxílio Emergencial 2021 para o mês de JULHO: ver datas

A Caixa voltou a antecipar o cronograma e pagará a 4ª parcela do Ajuda emergencial em 2021. Os créditos da primeira parcela da conta começaram no dia 6 de abril para assinantes pelo app/site da Caixa. O quarto episódio foi reiniciado para o público em geral, gravado pelo aplicativo e pelo site, no dia 17/07 e será divulgado ao público do Bolsa Família a partir de 19.

A partir de agora, os desembolsos da primeira, segunda, terceira e quarta parcelas foram adiantados pelo governo. A Dataprev também lançou um novo site de consultas para saber quem receberá as novas comissões. O programa completo e atualizado foi divulgado pela Secretaria de Cidadania na quinta-feira, 15 de julho; veja programa abaixo.

15 perguntas e respostas sobre o novo auxílio emergencial

Calendário de ajuda de emergência 2021

De acordo com o calendário, os créditos da conta digital do O quarto episódio já começou em 17 de julho. Tal como no ano passado, haverá um intervalo de cerca de duas semanas entre o depósito do dinheiro e a liberação dos valores a serem sacados. As pessoas nascidas em dezembro, por exemplo, que não teriam o crédito da 4ª parcela até 22 de agosto, passarão a ter 23 dias de adiantamento em 30 de julho.

Nesta nova fase, serão pagas 4 parcelas com valores entre R$ 150 e R$ 375, dependendo da unidade familiar do beneficiário. Nesta ocasião, apenas uma pessoa por família terá direito às novas cotas, ao contrário do ano passado, quando o auxílio foi concedido até 2 pessoas por família.

Veja abaixo a programação completa para quem se inscreveu pelo aplicativo e site, sendo que o primeiro a partir de agora também recebe a quarta parcela.

Calendário 1ª parcela da ajuda 2021 (adiantamento)

mês do nascimento Data de crédito da conta Data de saque em dinheiro
Janeiro 06 de abril 30 de abril (era 4 de maio)
Fevereiro 09 de abril 3 de maio (era 6 de maio)
Marchar 11 de abril 4 de maio (era 10 de maio)
abril 13 de abril 5 de maio (era 12 de maio)
ele pode 15 de abril 6 de maio (era 14 de maio)
Junho 18 de abril 7 de maio (era 18 de maio)
Julho 20 de abril 10 de maio (era 20 de maio)
Agosto 22 de abril 11 de maio (era 21 de maio)
Setembro 25 de abril 12 de maio (era 25 de maio)
Outubro 27 de abril 13 de maio (era 27 de maio)
novembro 28 de abril (era 29 de abril) 14 de maio (era 1º de junho)
dezembro 29 de abril (era 30 de abril) 17 de maio (foi 4 de junho)

Cronograma 2ª parcela do auxílio 2021 (antecipado)

mês do nascimento Data de crédito da conta Data de saque em dinheiro
Janeiro 16 de maio 31 de maio (até 8 de junho)
Fevereiro 18 de maio (antes de 19 de maio) 1 de junho (antes de 10 de junho)
Marchar 19 de maio (antes de 23 de maio) 2 de junho (antes de 15 de junho)
abril 20 de maio (antes de 26 de maio) 4 de junho (antes de 17 de junho)
ele pode 21 de maio (antes de 28 de maio) 8 de junho (antes de 18 de junho)
Junho 22 de maio (até 30 de maio) 9 de junho (antes de 22 de junho)
Julho 23 de maio (antes de 2 de junho) 10 de junho (antes de 24 de junho)
Agosto 25 de maio (antes de 6 de junho) 11 de junho (antes de 29 de junho)
Setembro 26 de maio (antes de 9 de junho) 14 de junho (antes de 1º de julho)
Outubro 27 de maio (antes de 11 de junho) 15 de junho (antes de 2 de julho)
novembro 28 de maio (até 13 de junho) 16 de junho (antes de 5 de julho)
dezembro 30 de maio (até 16 de junho) 17 de junho (antes de 8 de julho)

Depósito anexo 3 – Auxílio 2021 (antecipado)

mês do nascimento Data de crédito da conta Data de saque em dinheiro
Janeiro 18 de junho (era 20 de junho) 1º de julho (era 13 de julho)
Fevereiro 19 de junho (era 23 de junho) 2 de julho (era 15 de julho)
Marchar 20 de junho (era 25 de junho) 5 de julho (era 16 de julho)
abril 22 de junho (era 27 de junho) 6 de julho (era 20 de julho)
ele pode 23 de junho (era 30 de junho) 8 de julho (era 22 de julho)
Junho 24 de junho (era 4 de julho) 9 de julho (era 27 de julho)
Julho 25 de junho (era 6 de julho) 12 de julho (era 29 de julho)
Agosto 26 de junho (era 9 de julho) 13 de julho (era 30 de julho)
Setembro 27 de junho (era 11 de julho) 14 de julho (era 4 de agosto)
Outubro 29 de junho (era 14 de julho) 15 de julho (era 6 de agosto)
novembro 30 de junho (era 18 de julho) 16 de julho (era 10 de agosto)
dezembro 30 de junho (era 21 de julho) 19 de julho (era 12 de agosto)

Anexo 4 – Auxílio 2021 (antecipado)

Calendário Quarta parcela – Auxílio Emergencial 2021 (público)
mês do nascimento Data de crédito da conta Data de saque em dinheiro
Janeiro 17 de julho (antes de 23 de julho) 2 de agosto (antes de 13 de agosto)
Fevereiro 18 de julho (antes de 25 de julho) 03 de agosto (antes de 17 de agosto)
Marchar 20 de julho (antes de 28 de julho) 4 de agosto (antes de 19 de agosto)
abril 21 de julho (antes de 1º de agosto) 5 de agosto (antes de 23 de agosto)
ele pode 22 de julho (antes de 3 de agosto) 9 de agosto (antes de 25 de agosto)
Junho 23 de julho (antes de 5 de agosto) 10 de agosto (antes de 27 de agosto)
Julho 24 de julho (antes de 8 de agosto) 11 de agosto (até 30 de agosto)
Agosto 25 de julho (antes de 11 de agosto) 12 de agosto (antes de 1º de setembro)
Setembro 27 de julho (antes de 15 de agosto) 13 de agosto (antes de 3 de setembro)
Outubro 28 de julho (antes de 18 de agosto) 16 de agosto (antes de 6 de setembro)
novembro 29 de julho (antes de 20 de agosto) 17 de agosto (antes de 8 de setembro)
dezembro 30 de julho (antes de 22 de agosto) 18 de agosto (antes de 10 de setembro)

Em 18 de março, o Presidente da República Jair Bolsonaro assinou a Medida Provisória nº.

Após discussões entre a equipe econômica do governo e os presidentes da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, foi decidido que o auxílio emergencial seria novamente desembolsado em quatro parcelas de 250 reais, mas desta vez para um número menor de beneficiários. .

O ministro da Economia, Paulo Guedes, também disse que poderia aumentar a ajuda para R$ 600, conforme pedido dos governadores de 16 estados, mas para este Congresso deve realizar as privatizações planejadas.

Ajuda de emergência chegará a 39 milhões

Conforme anunciado pelo Ministério da Cidadania, nesta segunda fase de pagamentos o benefício irá para mais de 39 milhões de pessoas. Os beneficiários do Bolsa Família, cadastrados no Cadastro Único, os desempregados e os trabalhadores informais terão direito às novas cotas do auxílio emergencial.

Para esta nova fase, o governo federal não abrirá um novo período de inscrição. Portanto, quem se inscreveu até 2 de julho do ano passado e cujo benefício não foi cancelado em dezembro, terá direito às quatro parcelas. As novas parcelas serão pagas novamente pela Caixa Econômica Federal por meio do aplicativo Caixa Tem.

Valor do auxílio emergencial 2021

Na MP n. 1039, de 18 de março, o governo federal confirmou os novos valores do auxílio emergencial para 2021. Serão três valores variáveis, dependendo da composição familiar do beneficiário:

  • R$ 150 para pessoas morando sozinhas (família de pessoa solteira)
  • R$ 250 para casais com ou sem filhos;
  • R$ 375 para uma mulher chefe de família (família monoparental).

A os novos pagamentos continuarão sendo feitos em uma conta poupança digital no aplicativo Caixa Tem e, assim como os pagamentos anteriores, terão horários diferenciados para pagamento e saque do benefício.

Calendário do Auxílio Emergencial 2021 do Bolsa Família

Este ano, mais de 10 milhões de beneficiários do Bolsa Família serão cobertos pelo auxílio emergencial. Assim como os pagamentos do ano passado, esse grupo continuará recebendo o benefício em um cronograma específico. No entanto, a novidade deste ano é que algumas das pessoas inscritas no BF poderão receber o auxílio emergencial no Caixa Tem.

De dezembro a março, a Caixa transferiu beneficiários que ainda não tinham conta bancária para o aplicativo, onde os cidadãos podem transferir valores para uma conta poupança digital ou fazer saques e transferências.

A primeira parcela do auxílio emergencial foi paga aos beneficiários do Bolsa Família entre 16/04 e 30/04. Em julho às a quarta parcela da ajuda vai de 19 a 30 de julho. Confira a programação completa abaixo:

Cronograma da 1ª parcela do Bolsa Família público:

último dígito NIS dia do pagamento
uma 16 de abril
deles 19 de abril
3 20 de abril
4 22 de abril
5 23 de abril
6 26 de abril
7 27 de abril
8 28 de abril
9 29 de abril
0 30 de abril

Agenda da 2ª parte do Bolsa Família pública:

último dígito NIS dia do pagamento
uma 18 de maio
deles 19 de maio
3 20 de maio
4 21 de maio
5 24 de maio
6 25 de maio
7 26 de maio
8 27 de maio
9 28 de maio
0 31 de maio

Agenda da 3ª parte do Bolsa Família pública:

último dígito NIS dia do pagamento
uma 17 de junho
deles 18 de junho
3 21 de junho
4 22 de junho
5 23 de junho
6 24 de junho
7 25 de junho
8 28 de junho
9 29 de junho
0 30 de junho

Calendário da 4ª parte da audiência do Bolsa Família:

último dígito NIS dia do pagamento
uma 19 de julho
deles 20 de julho
3 21 de julho
4 22 de julho
5 23 de julho
6 26 de julho
7 27 de julho
8 28 de julho
9 29 de julho
0 30 de julho

Você não vai conseguir ajuda de emergência? veja como concorrer

O Ministério da Cidadania já estabeleceu prazos para o interrogatório daqueles a quem foi negado o auxílio emergencial. Para verificar se você é elegível ou teve o auxílio negado este ano, basta acessar a web – e se inscrever com seu CPF, sua data de nascimento e o nome da sua mãe. Se o resultado for negativo, o cidadão terá 10 dias corridos a partir da publicação do resultado para apresentar oposição no portal Dataprev.

Consulte os principais motivos que autorizam a disputa (caso o resultado negativo conste na solicitação feita):

  • Ser menor de idade (as mães menores de 18 anos têm direito ao benefício). A contestação deve ser protocolada após a atualização das informações no site da receita federal.
  • Ter uma certidão de óbito. Nesse caso, dirija-se ao cartório para corrigir as informações antes de abrir uma disputa.
  • Instituto de Pensão por Morte;
  • Receba seguro-desemprego (faça login no aplicativo CTPS Digital ou Sine Fácil e verifique a situação do seu seguro-desemprego. Caso não receba, o trabalhador pode recorrer.
  • Possui conexão RGPS. Nesse caso, acesse “Meu INSS” e “CTPS Digital” e verifique se o vínculo empregatício já terminou. Caso contrário, peça ao empregador que atualize as informações antes de contestar.
  • Intermitente (fazer login em “Meu INSS” ou “CTPS Digital” e rescindir o contrato antes de iniciar uma disputa);
  • Detidos em regime fechado ou em regime de confinamento assistido. Neste caso, se o trabalhador deixar de receber tal ajuda ou não corresponder à situação, poderá solicitar uma nova análise.
  • CPF não identificado (regularizar o CPF no site da Receita).
  • Aprendiz. Antes de contestar, você deve atualizar suas informações com a agência em que trabalhou.
  • Bolsista CAPES, CNPQ, MEC ou FNDE. Se você não se encaixa na situação, você pode se opor.

No entanto, existem alguns motivos de inadmissibilidade que não permitem contestar o auxílio. Vamos ver quais são:

Casos em que não é possível recorrer

  • Ser funcionário público (federal, municipal, estadual e militar);
  • Ter mandato eletivo (político);
  • Ter renda tributável acima do limite (R$ 28.559,70 em 2019);
  • Ter renda isenta acima do limite (superior a R$ 40.000,00);
  • Possuir ativos acima do limite máximo em 31 de dezembro de 2019 que ultrapassem R$ 300.000,00;
  • Pagar por um inquilino cujos rendimentos ultrapassem os limites acima indicados;
  • Vindo de uma família já coberta (já tendo uma pessoa recebendo Ajuda em 2021).